Metodologia Pedagógica

O percurso da SCMS no domínio da educação tem permitido experienciar diversas ideologias pedagógicas, fazendo-nos crer que o processo de ensino-aprendizagem deve ser individualizado, adaptado às características e necessidades específicas de cada criança.

A Pedagogia de Projeto tem vindo a constituir-se como modelo pedagógico privilegiado, defendendo a livre participação e autonomia das crianças, contribuindo para o aumento dos seus interesses e conhecimentos, valorizando a curiosidade e criatividade infantis. Este modelo resulta dos fundamentos da educação progressista, desenrolando-se sob influência dos trabalhos de Kilpatrick e Dewey, entre outros.

Segundo Katz e Chard (1997, in Vasconcelos et al, 2012) o trabalho de projeto promove o desenvolvimento intelectual das crianças englobando não apenas conhecimentos e capacidades, mas também a sensibilidade emocional, moral e estética das crianças. As crianças colocam questões, resolvem problemas e buscam um sentido para o mundo que as rodeia, desenvolvendo a capacidade de continuar a aprender. Katz (2004, in Vasconcelos et al, 2012) afirma que as experiências de carácter intelectual, fortalecem as disposições inatas da criança para:

 

  • fazer sentido da sua própria experiência;
  • colocar hipóteses, analisar, elaborar conjeturas;
  • ser curiosa;
  • fazer previsões e verificá-las;
  • ser empírica;
  • persistir na resolução de problemas;
  • tomar iniciativas e ser responsável pelo que conseguiu fazer;
  • antecipar os desejos dos outros, as suas reações.

   

 

Objetivos pedagógicos da Educação Pré-Escolar / Jardim de Infância

Os objetivos pedagógicos do projeto educativo da SCMS derivam do que está estabelecido na Lei-Quadro da Educação Pré-Escolar:

a ) Promover o desenvolvimento pessoal e social da criança com base em experiências de vida democrática numa perspetiva de educação para a cidadania;

b ) Fomentar a inserção da criança em grupos sociais diversos, no respeito pela pluralidade das culturas, favorecendo uma progressiva consciência como membro da sociedade;

c ) Contribuir para a igualdade de oportunidades no acesso à escola e para o sucesso da aprendizagem;

d ) Estimular o desenvolvimento global da criança no respeito pelas suas características individuais, incutindo comportamentos que favoreçam aprendizagens significativas e diferenciadas;

e ) Desenvolver a expressão e a comunicação através de linguagens múltiplas como meios de relação, de informação, de sensibilização estética e de compreensão do mundo;

f ) Despertar a curiosidade e o pensamento crítico;

g ) Proporcionar à criança ocasiões de bem-estar e de segurança, nomeadamente, no âmbito da saúde individual e coletiva;

h ) Proceder à despistagem de inadaptações, deficiências ou precocidades e promover a melhor orientação e encaminhamento da criança;

i ) Incentivar a participação das famílias no processo educativo e estabelecer relações de efetiva colaboração com a comunidade.

De acordo com as orientações curriculares do Ministério da Educação, serão desenvolvidas três áreas de conteúdos:

1 – Área de Formação Pessoal e Social

2 – Área de Expressão / Comunicação

3 – Área de Conhecimento do Mundo

PLANEAMENTO DE ATIVIDADES

Anualmente a educadora de infância, em articulação com outros elementos, incluindo os encarregados de educação, elabora o Projeto Curricular que é um documento que define e sintetiza as opções pedagógicas, objetivos operacionais e atividades para o ano letivo.

Na elaboração deste documento são consideradas as características e necessidades específicas das crianças, por sala, permitindo desta forma, ajustar o currículo ao perfil dos educandos.

De acordo com o perfil e faixa etária das crianças, são definidos objetivos, estratégias, atividades e indicadores de avaliação para cada área de desenvolvimento curricular.

Este plano inclui ainda a descrição da organização do tempo e da sala de atividades, bem como, os passeios previstos e temas a trabalhar. São ainda caracterizadas as rotinas diárias, que são atividades diárias realizadas pela criança de forma sequencial, fundamentais para que a criança se consiga orientar e sentir mais segura, para alcançar uma melhor noção de tempo, e adquirir gradualmente, maior autonomia. 

O documento é entregue aos encarregados de educação no início do ano letivo e servirá de guia orientador ao trabalho desenvolvido pela educadora ao longo do ano letivo.

 

INSTRUMENTOS DE TRABALHO

 

Ao longo do ano letivo são utilizados instrumentos pedagógicos que são trabalhados de acordo com a idade e desenvolvimento das crianças.

Mapa das presenças: o registo das presenças é realizado através de uma tabela de dupla entrada. Permite que as crianças desenvolvam noções temporais (dia da semana) e matemáticas (contagem das crianças presentes e das crianças que estão ausentes), favorece o sentido de pertença ao grupo e estimula a autonomia.

Mapa do tempo: instrumento mensal que ajuda as crianças no reconhecimento do estado do tempo através do seu registo diário.

Calendário: instrumento que permite trabalhar com as crianças diversas noções matemáticas. Tem como uma das principais funcionalidades que a criança compreenda a sequência dos dias de forma semanal e mensal. Proporciona ainda o contacto com a sequência numérica e o trabalho com padrões diversos.

Mapa das tarefas: instrumento criado para responsabilizar as crianças pela concretização de pequenas tarefas p.e. ajudar a por mesa, lavar os pincéis, arrumar os brinquedos, etc.

Mapa dos Aniversários: permite que as crianças acompanhem os aniversários dos amigos e adquiram noções temporais.

Portefólio: (utilizado desde o Parque 1) instrumento de organização e avaliação do trabalho desempenhado pela criança.

Dossier da Criança: (utilizado desde o parque 2) instrumento individual onde serão colocados os trabalhos da criança e/ou outros registos que a educadora considere pertinentes. Este dossier irá para casa no final do ano e funcionará como “dossier de recordações” dos trabalhos realizados ao longo do ano letivo.

Caderno da Criança: (utilizado apenas no Parque 1) instrumento individual que tem por objetivo facilitar a comunicação entre a creche e a família sendo preenchido com informações relevantes sobre a criança. Este caderno irá para casa sempre que a educadora achar pertinente ou por solicitação dos pais. No final do ano funcionará como livrinho de recordações do tempo passado nesta sala.

Registo de informação diária: impresso preenchido diariamente, disponível para consulta. Permite informar os pais como correu o dia, alimentação, sesta, higiene, etc.

São ainda utilizados os seguintes instrumentos de diagnóstico e avaliação:

Ficha de Sala e Avaliação Diagnóstica: preenchida pelos pais de forma individual permite à educadora tomar conhecimento de diversas informações importantes relativas a cada criança (caracterização pessoal, contactos urgentes e a quem pode ser entregue, doenças e alergias, gostos e preferências, desenvolvimento geral desde o nascimento, …).

Processo de Adaptação da Criança: consiste numa grelha que, depois de preenchida pela educadora durante as quatro primeiras semanas que cada criança está na creche, permite elaborar um relatório sobre a forma como decorreu a sua adaptação. Durante o seu preenchimento, a educadora vai avaliando as necessidades da criança formulando possíveis soluções que vão de encontro a uma melhoria no seu processo de adaptação.

Relatório do Processo de Adaptação da Criança: registo elaborado pela educadora após o primeiro mês de frequência da criança na creche. Tem por base as observações recolhidas no Processo de Adaptação da Criança e pretende dar a conhecer aos pais o parecer técnico da educadora acerca da forma como decorreu a adaptação do seu educando.

Perfil de Desenvolvimento da Criança: conjunto de questões que permitem perceber o nível de desenvolvimento geral da criança tendo por base a comparação entre os comportamentos observados e desejáveis, de acordo com a faixa etária e os domínios de desenvolvimento infantil pré-definidos.

Plano Individual da Criança (PI): instrumento que permite de forma individual e personalizada acompanhar o desenvolvimento da criança. Para tal é estabelecido pela educadora em conjunto com os pais (e sempre que se considere oportuno) um conjunto de atividades destinadas a estimular a aquisição de uma determinada competência na criança, que irão permitir atingir os comportamentos desejáveis na sua faixa etária.

Perfil de Competências Pré-Escolares: lista de competências esperadas para cada faixa etária nas áreas curriculares de ensino pré-escolar (Formação Pessoal e Social, Conhecimento do Mundo e Expressão e Comunicação). Este instrumento é preenchido pela educadora em conjunto com os pais da criança.

Ficha de Língua Portuguesa e Matemática: permitem avaliar a aquisição de competências da criança nas áreas curriculares de Língua Portuguesa e Matemática, de acordo com a faixa etária da criança.